Silicone por baixo ou acima do músculo?

A mamoplastia de aumento é a cirurgia plástica mais realizada em todo o mundo. Além de deixar os seios mais volumosos e bonitos, a prótese de silicone tem o poder de deixar o corpo mais harmônico. Antes de realizar o procedimento, o cirurgião plástico faz uma análise na paciente para indicar o melhor tipo de prótese e a forma como o silicone é colocado, já que a técnica utilizada na cirurgia influencia na recuperação do pós-operatório e no toque dos seios.

Tipos de próteses de silicone

Formato

Prótese redonda: é a prótese mais popular. Deixa o colo bem desenhado e é ideal para quem quer explorar os decotes.

Prótese cônica: possui base redonda e aspecto mais “pontudo”. É indicada para mulheres que apresentam leve grau de queda.

Prótese anatômica ou em gota: imita o formato natural dos seios e é muito procurada por pacientes que buscam reconstrução mamária.

Perfil

Perfil baixo ou moderado: maior na base e menor na altura. São mais indicadas em cirurgia de mastopexia e redução de mama.

Perfil alto ou super alto: os seios ficam projetados para frente como um todo. A prótese super alta é indicada para mulheres que têm o tórax e base das mamas estreitas.

Forma

Por cima do músculo peitoral e sob a glândula mamária: é indicado para mulheres que procuram seios marcados. O pós-operatório costuma ser mais tranquilo.

⁣⁣⁣Por baixo do músculo peitoral: essa forma é mais indicada para pacientes com seios pequenos, com pouca pele. O resultado também fica mais natural.

Textura

Prótese lisa: tem mais incidência de contratura capsular é muito maior do que com as outras duas texturas. Pouco usada atualmente.

Prótese texturizada: essa prótese dá mais “aderência” aos implantes e às mamas, além de melhorar a formação da cicatriz ao redor dos implantes. É a textura mais utilizada atualmente.

Prótese de Poliuretano: possui um revestimento externo deste material, que faz com que a aderência entre a prótese e o tecido mamário seja ainda maior. Como desvantagens, possui maior chance de dobras e de ficarem palpáveis.

Implante submuscular (abaixo do músculo)

Por traumatizar a musculatura, o pós-operatório é mais dolorido e demorado. A indicação é específica! Por exemplo, em casos de flacidez aumentada, a prótese pode ficar presa na musculatura e a mama, ao “deslizar” por cima, pode causar um efeito inestético chamado dupla bolha. Essa técnica é indicada nos casos em que a paciente é muito magra e a quantidade de tecido seria insuficiente para cobrir o implante subglandular. Também é indicado quando a paciente opta pela incisão axilar, quando há histórico familiar de tumor de mamas e nas reconstruções mamárias.

Implante subglandular (acima do músculo)

Nesse tipo de procedimento, a cirurgia é menos traumática e o pós-operatório mais tranquilo. Além disso, os seios ficam mais naturais, já que a prótese acompanha o movimento da mama.

Os contras dessa técnica são a maior probabilidade de estrias em quem tem pele muito fina, o fato de o silicone ficar mais aparente, o número maior de casos de contratura capsular e outras complicações. Esse tipo de implante é indicado para pacientes que desejam por próteses menos volumosas e em casos de mamas com algum volume ou tuberosas.

Conseguiu entender a diferença? Durante as consultas pré-operatórias, o cirurgião tira todas as suas dúvidas em relação ao procedimento e indica a técnica ideal para você! Finalizando, o silicone pode ser colocado tanto abaixo quanto acima do músculo, porém cada técnica tem uma indicação específica.

Gostou do post de hoje? Continue acompanhando meu blog e me siga no Instagram para saber tudo sobre saúde e estética. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *