Vamos falar sobre o Outubro Rosa

O Outubro Rosa é um movimento internacional de conscientização para o controle do câncer de mama, criado no início da década de 1990 pela Fundação Susan G. Komen for the Cure, nos Estados Unidos. No Brasil, a comemoração foi instituída pela Lei nº 13.733/2018. O objetivo principal do Outubro Rosa é compartilhar informações, promover a conscientização sobre a doença e proporcionar maior acesso aos serviços de diagnóstico e de tratamentos.

Sinais da doença

Alguns sintomas são bem comuns no câncer de mama, mas nem sempre os sinais indicam a doença. Sempre é necessário consultar um médico para ter o diagnóstico correto.

Dor na mama ou no mamilo, nódulo endurecido, coceira frequente, vermelhidão, inchaço, alterações no tamanho ou forma da mama e inversão do mamilo são alguns sintomas.

Tratamento do câncer de mama

O tratamento a ser adotado deverá ser definido pelo médico, mediante a análise de todos os exames realizados e pelos dados fornecidos pelo médico patologista, após a realização de biópsia.

Prevenção:

O câncer de mama não é uma doença totalmente previsível em função da multiplicidade de fatores relacionados ao seu surgimento e ao fato de que vários deles não são atitudes modificáveis. De modo geral, a prevenção baseia-se no controle dos fatores de risco, no autoexame e na mamografia.

Praticar exercícios físicos;
Alimentar-se bem e priorizar alimentos saudáveis;
Evitar o excesso de gorduras e carboidratos simples;
Evitar bebidas alcóolicas;
Evitar cigarros.

Cirurgias de reconstrução de mama

Uma das principais preocupações para mulheres que enfrentam o câncer de mama é perder os seios. É uma questão de vaidade e muitas se sentem inibidas quando precisam retirar o busto. Porém, existe uma alternativa: a cirurgia de reconstrução mamária promete devolver o volume original e renovar a autoestima.

O tipo de cirurgia para reconstrução da mama varia de acordo com o tamanho e localização do tumor biótipo da paciente e o volume da mama. As técnicas são:

Prótese de silicone: é utilizada quando a mastectomia não remove uma grande quantidade de pele. O tamanho da prótese a ser usada é definido com base na avaliação da elasticidade do tecido.

Expansores: através do uso do soro fisiológico esse expansor é inflado periodicamente para promover gradualmente o aumento do tecido até atingir um tamanho próximo ao desejado.

Transferência de retalhos da pele: uma parte de pele e tecido gorduroso é retirado de uma região do corpo e transferida para o lugar que há falta de pele para a realização da reconstrução.

As técnicas de transferência mais utilizadas são:

Retalho Miocutâneo do Músculo Reto Abdominal: feita com a pele e a gordura da região abaixo do abdômen.
Retalho do Músculo Grande Dorsal: utiliza o músculo das costas.

A prevenção e o autocuidado são os melhores caminhos. Previna-se!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *